educar-para-a-autonomia-e-a-paz 02 04 sion-no-brasil
Sion participa do XXIII Encontro PEA-UNESCO
23/10/2017 - 02:03 | Acontece no Sion

.

Entre os dias 27 e 29 de setembro, foi realizado o XXIII Encontro das Escolas Associadas da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em Foz do Iguaçu (PR). Diretores, gestores e representantes das instituições associadas estiveram reunidos, com o objetivo de refletir, trocar experiências e boas práticas acerca das prioridades da UNESCO, dos objetivos de desenvolvimento sustentável, da agenda 2030, entre outros.

O Programa das Escolas Associadas (PEA), foi criado em 1953 com o intuito de cultivar na educação básica a cultura da paz, promover a educação para o desenvolvimento sustentável e formar gerações conscientes de seu papel como protagonistas de uma cidadania global. No total, dez mil escolas de 181 países fazem parte dessa união.

Na edição de 2017, o Colégio Sion foi representado pelas professoras Lucilene Brustolin e Maria Cristina Montingelli. O encontro demonstrou a riqueza e a diversidade culturais, sociais e étnicas da educação brasileira em diferentes contextos regionais, independentemente se as escolas eram urbanas ou rurais, privadas ou públicas, quilombolas ou indígenas.

Lucilene Brustolin e Maria Cristina Montingelli, representantes do Sion no encontro

Para Lucilene, as temáticas abordadas durante o encontro contemplaram a importância da escola na construção de um futuro melhor para todos, contribuíram para o estreitamento de laços e valorizaram ações inovadoras, desafios e obstáculos vencidos.

Segundo Maria Cristina, o encontro deste ano teve um cunho bastante inspirador. Além dos espaços destinados à promoção de conhecimento por meio de palestras formativas, tais como mudanças climáticas, a crise dos refugiados e os desafios de educar para práticas sustentáveis, houve partilhas de experiências relacionadas à transformação de realidades, superação de dificuldades, e, principalmente, valorização dos recursos educacionais brasileiros. Tudo isso mostrou que, ao contrário do que prega o senso comum, existe uma parcela da sociedade fazendo a diferença.

“As reflexões que permearam esses dias de partilha têm muito a contribuir para o fortalecimento da Rede PEA UNESCO, pois compactuamos com o objetivo de promover qualidade na educação para todos, na busca da justiça, liberdade, paz e desenvolvimento humano”, reforça Lucilene.

Comente

*Campos Obrigatórios